Por que ninguém prova de ET`s existem?

julho 22, 2012 by

Pessoal,

Sei que este pobre blog já vos trouxe algum conteúdo a respeito de discos voadores, extraterrestres, ciências ocultas, entre outras coisas estranhas; claro, tudo isso sem lá muita credibilidade ou isenção dos fatos. Bom falando em fatos há um dito que gosto muito: “contra fatos não há argumentos” – sábio aquele que disso isso e por isso mesmo que agora provoco sua reação…

Leia o resto deste post »

O que fez o Papai Noel a Karl Marx?

novembro 5, 2010 by

Papai Noel

Aproveitando o gancho dos últimos dias, em que vimos os franceses brigando pelos seus direitos ao bem estar social, tive um lapso que me fez recordar de alguns fatos históricos ligados a sociologia. Óbvio, quando se fala de assuntos relacionados a sociedade é impossível deixar de mencionar Karl Marx.

Leia o resto deste post »

Et’s – Again, again,…, and again!

junho 29, 2010 by

Depois de tempos jogado ao acaso e perpetuado pela inércia promovida pelos antigos posts, este blog renasce depois sessões em regime de desfibrilização. Parece tudo muito parecido, again!

Vamos aos fatos! Quem que alguma vez já não passou por este blog e não viu o famigerado post sobre a entrevista feita por nós ao ufólogo, Lourival Gomes. Pois bem, ele voltou e agora em grande estilo. Nesta segunda-feira, 28/06/10, ele esteve no Programa do Jô, para dar uma entrevista sobre seus conhecimentos. Para quem não acompanhou, poderá ver agora:

Leia o resto deste post »

ônibus

março 1, 2010 by

– Não me lembro de todos os detalhes com precisão…

– Conte-me o que você sabe então.

– Esta bem, tudo começou hoje de manhã, como todos os dias eu estava indo para o meu desinteressante trabalho. Como você já deve saber eu sou funcionário do Detran e passo o dia carimbando formulários e requerimentos. É um trabalho penoso e enfiado naquele muquifo, sem ver a luz do dia e com a fumaça de cigarro pairando no ar torna o lugar um tanto insuportável. Voltando para o que aconteceu, eu estava a caminho do trabalho no meu terceiro ônibus. Enlatados comigo estavam uma pequena centena de pessoas, foi quando esmagado por bundas, braços e com pouco ar nos pulmões pude perceber na cintura de um passageiro um revólver prateado. O sol refletia na arma e a fazia brilhar o que fisgava o meu olhar sobre ela. Nossos olhos são os únicos órgãos que não sofrem pressões dentro do ônibus, são os únicos que podemos movimentar sem dificuldades. Mas enquanto os dos outros passageiros estavam à procura de espaços para respirar os meus estavam fixados na arma. Eu não tinha medo daquele homem sacar a arma e assaltar ou assassinar uma pessoa no ônibus, pois simplesmente era impossível com aquele tanto de mundo. Fruto do azar ou do poder da fascinação a constrição fez o revólver cair da cintura do homem. Amortecida pelas calças, coxas e pés a pistola atingiu o chão sem grande barulho e não chamou a atenção mesmo ricocheteando entre as já comprimidas pernas. Três paradas a frente era um ponto nevrálgico da linha, o ônibus se esvaziava pela metade, mas rapidamente outra manada vinha preencher os espaços vazios. Não era a minha parada, mas com a movimentação de pessoas eu poderia alcançar aquele objeto que tanto me fascinava. Foi assim que sucedeu, entre uma boiada e outra consegui me abaixar e pegar a arma. Ao levantar eu mal conseguia erguer a cabeça e respirar como se a passagem entre o mar de gente tivesse se fechada sobre mim. Confinado entre as peles sebosas e os cabelos oleosos pude perceber o olho do homem fixado sobre mim. Se por um instante eu tinha pensado em perfurar o meu chefe doze vezes eu não podia mais.
Aquele olho me fixava, não piscava e como uma ave de rapina a pupila se focava na presa. O olho daquele homem era mais do que uma janela para a alma, mas também um espelho da minha danação. Recuperar o revólver e matar a testemunha era o que dizia o glóbulo.
A viagem continuava e mesmo com as vibrações e instabilidades aquele olho não desgrudava em nenhum momento de mim. Cheguei ao meu ponto, durante a parte da viagem em que eu estava armado e fuzilado eu tinha chego a covarde conclusão de devolver a arma para o olho. Assim que coloquei o pé na calçada senti uma força me segurando pelo braço. Virei-me e lá estava o olho acompanhado do seu par simétrico e tão severo quanto. Apontei a arma para ele. O olho não mudou de expressão, aproximei o cano e entreguei o revólver.
Depois disso não lembro de mais nada, acordei com uma dor de cabeça aqui na delegacia. Acredito que ele me deu uma coronhada e desmaiei.

– Se esse for o caso você não deveria estar num hospital?!

– Acho que sim, não sei por que me seguras aqui!?

-Talvez tenha a ver com o seu chefe.

– O que tem ele?

– Contaram 12 furos no corpo dele.

I gotta Feeling

outubro 25, 2009 by

Aproveitando o enorme sucesso da música “I Gotta Felling”, da banda Black Eyed Peas, alunos da University LipDub de Quebec, no Canadá, produziram um clip dessa música em um único “take”, mobilizando toda a estrutura da instituição e grande parte dos alunos. O vídeo já é febre na internet e tem se destacado em outras mídias. Para quem ainda não conferiu ai vai a dica:

Comparativo de banda larga no mundo

outubro 25, 2009 by

Se você usa Virtua e está relativamente satisfeito com o custo benefício de sua banda larga, vale a pena conferir uma pesquisa feita globalmente para saber a velocidade máxima da internet, o custo por mbps e a taxa de penetração da tecnologia na população. É de impressionar a performance dos países asiáticos, tal qual os valores por eles cobrados. Confiram o resumo da publicação:

Leia o resto deste post »

A morte da Pxar..

outubro 25, 2009 by

O pessoal do College Humor é reconhecido por excelente senso de humor e por suas produções satíricas que não perdoam a ninguém. Vocês se lembram do post do Hey iPhone, Mr. Touch Screen? Também uma produção deles. Desta vez, eles pegaram para zoar com o pessoal da Pixar, que como muitos sabem, ela sempre apresenta uma introdução hilária para seus filmes. Confiram, é realmente bem legal!

O homem mais sortudo do mundo

outubro 24, 2009 by

A crença popular nos diz que para ter sorte temos que nos proteger com alguns amuletos, como trevo de 4 folhas (eu sempre ficava procurando…nunca achei!), pé de coelho, ferradura, entre outros. Com esse verdadeiro acervo de bibelôs “sem dúvidas” disfrutaríamos da bonança que a vida poderia nos dar.

O fato é que não sei se o personagem do vídeo abaixo usava algo desse tipo citado, contudo sem dúvida este é o homem mais sortudo que eu já ví. imaginem você ser atropelado por um carro, é ruim!, agora por um ônibus – tá piorando!, e se ainda fosse os dois! É foi sem dúvida um dia de muita sorte na vida dessa pessoa. Confiram:

É escapar de uma atropelam dupla, não tem preço!

É para entrar nesta “Onda”

outubro 19, 2009 by

Para aqueles de assistiram o excelente filme PulpFiction, de Tarantino, logo identificaram algumas particularidades com este post. Alguns dos poucos felizardos a poderem testar o GoogleWave, a nova ferramenta do gigante das buscas para uso em redes sociais, mostraram suas possibilidades homenageando o filme citado. Confiram esta que logo será a maior febre na WEB 2.0:

Morre hoje Prof. Piratininga

outubro 19, 2009 by

É com muito pesar que damos a nota de falecimento de Luiz Celso de Piratininga. Segue o descritivo de sua carreira e importância para todos os publicitários do Brasil.

“Luiz Celso de Piratininga atuou por quatro décadas no mercado publicitário, além de uma frutífera e exitosa carreira acadêmica. Sua relação com a ESPM vem desde os primeiros anos de nossas atividades: foi aluno, professor, membro do Conselho Deliberativo e estava à frente da gestão da Escola desde 2007, como Presidente da Diretoria Executiva

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1972), Mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (1984) e Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (1991). Foi professor da Escola Superior de Propaganda e Marketing ESPM e professor da ECA-USP, onde lecionou por mais de 30 anos.

Publicitário com ampla experiência e atuação no mercado, ao longo da sua trajetória profissional, liderou seus pares em várias instituições e foi um dos idealizadores e organizadores do III Congresso Brasileiro de Propaganda, ao qual se deve a criação do CONAR e do Código Brasileiro de Auto-regulamentação publicitária.  Fundou  e dirigiu sua agência de propaganda, a ADAG, de onde se licenciou para dedicar-se à ESPM. Criador e Diretor Geral do Centro de Altos Estudos da ESPM.

Foi Presidente da Associação Paulista de Propaganda (APP), da Associação Brasileira de Propaganda (ABAP), e do Sindicato das Agências de Propaganda do Estado de São Paulo. Vice-Presidente do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (CONAR).

Defensor intransigente das práticas democráticas e de pleno exercício da liberdade de expressão, sempre se perfilou na luta pelas conquistas e aberturas de maiores espaços para o florescimento da razão, da emoção e da criatividade. Foi essa atuação e liderança setorial que garantiu ao “Pira” (como o chamavam todos e ele gostava) uma incontestável liderança em praticamente todos os destinos e grandes decisões da Indústria da Propaganda nos últimos 40 anos.

A lembrança de sua obra, seu permanente desafio para a construção de um futuro inovador eram inspirações permanentes a todos que trabalhavam ou conviviam com ele.

E além disso, suas responsabilidades de líder setorial, presidente da ADAG ou da ESPM, não o impediam de cultivar, com grande alegria, um espírito aberto, próximo e brincalhão que a todos cativava. Qualidades e talentos que ele multiplicava, principalmente  quando seu querido São Paulo ganhava. Foi conselheiro vitalício do São Paulo Futebol Clube.”

Fonte: ESPM